Soneto do Bom Agouro


A quem se interessar possa
Falo sobre o que incomoda
Tanta maldade que se apossa

Que parece virar moda
Cada um pensando em si
Que se mude, quem se incomoda.

Vou ser um nômade sem coagir
Com o que me perturba no mundo
Louco e só no meio de um frenesi

Serei o mais novo vagabundo
Que quer que o bem se espalhe à todos
Nem que seja por um segundo.

Mas vou levar comigo, sim
Meus pensamentos e ideais
E os declamando até o fim
Consoantes e vogais

Espero que alguém escute
Ouça, pense, quem sabe, curta.
Pois o que é puro repercute
E um dia muda nossa conduta.